A História do Plástico – O que é e como surgiu?!

-

Pedra, madeira, cerâmica, vidro e ferro, onde estaríamos sem estes materiais? Durante a maior parte da história, nós seres humanos usamos materiais encontrados na natureza para construir objetos e ferramentas. Do ponto de vista humano as nossas civilizações não teriam evoluido sem esses e outros materiais.

Mas a 100 anos atrás surgiu um material que causou uma grande mudança no mundo, para melhor e depois para pior. Ele é um polimero sintético e recebeu o nome de plástico.

O plástico está em toda a parte e em quase tudo. Baratos e facilmente moldáveis, elas aumentaram os padrões de vida, melhoraram a saúde e o saneamento e reduziram a demanda por recursos naturais escassos. Ainda assim, eles contribuem para a degradação ambiental e potencialmente representam um risco para a saúde humana, fazendo com que muitos questionem nossa abordagem atual aos plásticos.

Mas como ele surgiu na história da terra? Bom, plásticos são feitos de polímeros, então primeiro vamos entender brevemente o que são polímeros.


Polímeros – O que são e como se dividem:

  1. Na terra existem muitos materiais, mas os três principais tipos são: os cerâmicos, os metálicos e os poliméricos.

2. A palavra polímeros vem do grego:  poli, que significa “muitas”, e meros, que significa “partes”. Ou seja: Muitas partes.

3. Todo polímero (natural ou artificial) é composto por macromoléculas formadas pela repetição de moleculas menores, chamadas monômeros. Tipo uma corrente.

4. Os polímeros podem ser divididos em dois grupos principais: os polímeros naturais e os polímeros sintéticos.

Polimeros Naturais:

Polimeros Naturais:

Desde muito tempo os polimeros estão presentes no planeta terra de forma natural; Nas plantas, árvores e animais. Mas o que são polimeros?

São chamados de polimeros naturais, mas Os primeiros materiais utilizados como elementos estruturais, de proteção e na
fabricação de instrumentos foram encontrados “prontos” na natureza, como pedras,
madeiras, folhas de árvores etc. Foi através da observação de processos naturais que os
seres humanos se inspiraram e, com algumas modificações, transformaram os materiais
existentes, dando origem a materiais artificiais como cerâmica, vidro, papel, borracha,
concreto etc.

Polimeros Artificiais:

O primeiro plástico sintético

O primeiro polímero sintético foi inventado em 1869 por John Wesley Hyatt, que se inspirou na oferta de uma firma de Nova York de US $ 10.000 para quem pudesse fornecer um substituto para o marfim. A crescente popularidade do bilhar havia prejudicado o suprimento de marfim natural, obtido através da matança de elefantes selvagens. Ao tratar a celulose, derivada da fibra de algodão, com cânfora, Hyatt descobriu um plástico que poderia ser trabalhado em uma variedade de formas e feito para imitar substâncias naturais como tartaruga, chifre, linho e marfim.

Esta descoberta foi revolucionária. Pela primeira vez, a manufatura humana não foi restringida pelos limites da natureza. A natureza forneceu apenas madeira, metal, pedra, osso, presa e chifre. Mas agora os humanos podem criar novos materiais. Esse desenvolvimento ajudou não só as pessoas, mas também o meio ambiente. Anúncios elogiaram o celulóide como o salvador do elefante e da tartaruga. Os plásticos podem proteger o mundo natural das forças destrutivas da necessidade humana.

A criação de novos materiais também ajudou a libertar as pessoas das restrições sociais e econômicas impostas pela escassez de recursos naturais. O celulóide barato tornou a riqueza material mais difundida e acessível. E a revolução dos plásticos estava apenas começando.

O Desenvolvimento de Novos Plásticos

A menos que eu esteja muito enganado, esta invenção será importante no futuro.

(Leo Baekeland)

Quando o quimíco industrial belga Leo Hendrik Baekeland escreveu essas palavras em seu diário em 11 de julho de 1907, ele estava certo sobre a importancia de sua descoberta. Em breve, os plásticos estariam em toda parte, subistituindo uma infinidade de materiais.

Baekeland estava à procura de uma resina que subistituisse a goma-laca (resina usada na època). Foi então que ele descobriu o primeiro polímero totalmente sintético, que chamou de baquelite.

Baquelite era o primeiro plástico termoendurecível (um plástico que não amolece quando aquecido).

moléculas simples (ou seja, sintético) e não partindo de um polímero natural. A baquelite é uma resina produzida a partir da uma reação de condensação e polimerização entre dois monômeros, fenol (hidroxibenzeno) e formaldeído (metanal), com a eliminação de moléculas de água.

Em 1907, Leo Baekeland inventou a baquelite, o primeiro plástico totalmente sintético, o que significa que não continha moléculas encontradas na natureza. Baekeland estava procurando um substituto sintético para a goma-laca, um isolante elétrico natural, para atender às necessidades dos Estados Unidos rapidamente eletrizantes. A baquelite não era apenas um bom isolante; também era durável, resistente ao calor e, ao contrário do celulóide, ideal para a produção mecânica em massa. Comercializada como “o material para milhares de usos”, a baquelita pode ser moldada ou moldada em quase qualquer coisa, oferecendo possibilidades infinitas.

Os sucessos do Hyatt e da Baekeland levaram grandes empresas químicas a investir em pesquisa e desenvolvimento de novos polímeros, e novos plásticos logo se juntaram ao celulóide e à baquelite. Enquanto Hyatt e Baekeland procuravam materiais com propriedades específicas, os novos programas de pesquisa buscavam novos plásticos para seu próprio bem e se preocupavam em encontrar usos para eles mais tarde.

Os plásticos envelhecem

A Segunda Guerra Mundial exigiu uma grande expansão da indústria de plásticos nos Estados Unidos, já que o poder industrial se mostrou tão importante para a vitória quanto o sucesso militar. A necessidade de preservar os escassos recursos naturais tornou a produção de alternativas sintéticas uma prioridade. Os plásticos forneceram esses substitutos. O náilon, inventado por Wallace Carothers em 1935 como seda sintética, foi usado durante a guerra como pára-quedas, cordas, coletes à prova de balas, forros de capacete e muito mais. O plexiglass forneceu uma alternativa ao vidro para janelas de aeronaves. Um artigo da revista Time observou que, por causa da guerra, “os plásticos foram voltados para novos usos e a adaptabilidade dos plásticos foi demonstrada mais uma vez”. [1]  Durante a Segunda Guerra Mundial, a produção de plástico nos Estados Unidos aumentou 300%.

O aumento na produção de plástico continuou após o fim da guerra. Depois de passar pela Grande Depressão e, em seguida, pela Segunda Guerra Mundial, os americanos estavam prontos para gastar novamente, e muito do que compraram era feito de plástico. De acordo com a autora Susan Freinkel, “Em produto após produto, mercado após mercado, os plásticos desafiaram os materiais tradicionais e venceram, tomando o lugar do aço nos carros, papel e vidro nas embalagens e madeira nos móveis”. [2]  As possibilidades dos plásticos deram a alguns observadores uma visão quase utópica de um futuro com abundante riqueza material, graças a uma substância higiênica segura e barata que poderia ser moldada por humanos de acordo com seus caprichos.

Crescentes preocupações com os plásticos

O otimismo imaculado sobre os plásticos não durou. Nos anos do pós-guerra, houve uma mudança nas percepções americanas, pois os plásticos não eram mais vistos como inequivocamente positivos. Detritos de plástico nos oceanos foram observados pela primeira vez na década de 1960, uma década em que os americanos se tornaram cada vez mais conscientes dos problemas ambientais. O livro de Rachel Carson de 1962, Silent Spring, expôs os perigos dos pesticidas químicos. Em 1969, um grande derramamento de óleo ocorreu na costa da Califórnia e o poluído rio Cuyahoga, em Ohio, pegou fogo, aumentando a preocupação com a poluição. À medida que a consciência sobre as questões ambientais se espalhou, a persistência de resíduos de plástico começou a incomodar os observadores.

O plástico  também gradualmente se tornou uma palavra usada para descrever o que era barato, frágil ou falso. Em The Graduate, um dos melhores filmes de 1968, o personagem de Dustin Hoffman foi incentivado por um conhecido mais velho a fazer carreira em plásticos. O público se encolheu junto com Hoffman com o que considerou um entusiasmo fora do lugar por uma indústria que, em vez de ser cheia de possibilidades, era um símbolo de conformidade barata e superficialidade.

Problemas de plástico: resíduos e saúde

A reputação do plástico caiu ainda mais nas décadas de 1970 e 1980, à medida que aumentava a preocupação com o desperdício. O plástico se tornou um alvo especial porque, embora tantos produtos plásticos sejam descartáveis, o plástico dura para sempre no meio ambiente. Foi a indústria do plástico que ofereceu a reciclagem como solução. Na década de 1980, a indústria de plásticos liderou uma campanha influente incentivando os municípios a coletar e processar materiais recicláveis ​​como parte de seus sistemas de gestão de resíduos. No entanto, a reciclagem está longe de ser perfeita e a maioria dos plásticos ainda vai parar em aterros sanitários ou no meio ambiente. Sacolas plásticas de supermercados se tornaram um alvo para ativistas que buscam proibir os plásticos descartáveis ​​de uso único, e várias cidades americanas já aprovaram a proibição de sacolas. O símbolo definitivo do problema do lixo plástico é a Grande Mancha de Lixo do Pacífico,

A reputação dos plásticos sofreu ainda mais devido à crescente preocupação com a ameaça potencial que representam para a saúde humana. Essas preocupações se concentram nos aditivos (como o muito discutido bisfenol A [BPA] e uma classe de produtos químicos chamados ftalatos) que entram nos plásticos durante o processo de fabricação, tornando-os mais flexíveis, duráveis ​​e transparentes. Alguns cientistas e membros do público estão preocupados com as evidências de que esses produtos químicos vazam dos plásticos e entram em nossos alimentos, água e corpos. Em doses muito altas, esses produtos químicos podem perturbar o sistema endócrino (ou hormonal). Os pesquisadores se preocupam particularmente com os efeitos desses produtos químicos nas crianças e com o que o acúmulo contínuo significa para as gerações futuras.

O futuro dos plásticos

Apesar da crescente desconfiança, os plásticos são essenciais para a vida moderna. Os plásticos possibilitaram o desenvolvimento de computadores, telefones celulares e a maioria dos avanços da medicina moderna que salvam vidas. Leves e bons para isolamento, os plásticos ajudam a economizar os combustíveis fósseis usados ​​no aquecimento e no transporte. Talvez o mais importante, os plásticos baratos aumentaram o padrão de vida e tornaram a abundância de materiais mais facilmente disponível. Sem os plásticos, muitos bens que consideramos naturais poderiam estar fora do alcance de todos, exceto dos americanos mais ricos. Substituir materiais naturais por plástico tornou muitos de nossos bens mais baratos, leves, seguros e resistentes.

Como está claro que os plásticos têm um lugar valioso em nossas vidas, alguns cientistas estão tentando torná-los mais seguros e sustentáveis. Alguns inovadores estão desenvolvendo bioplásticos, que são feitos de plantas em vez de combustíveis fósseis, para criar substâncias que são mais ecológicas do que os plásticos convencionais. Outros estão trabalhando para fazer plásticos que são verdadeiramente biodegradáveis. Alguns inovadores estão procurando maneiras de tornar a reciclagem mais eficiente e até esperam aperfeiçoar um processo que converta os plásticos de volta nos combustíveis fósseis dos quais foram derivados. Todos esses inovadores reconhecem que os plásticos não são perfeitos, mas são uma parte importante e necessária do nosso futuro.

História e futuro dos plásticos

O que são plásticos e de onde eles vêm?

Plástico  é uma palavra que originalmente significava “flexível e facilmente moldável”. Só recentemente se tornou um nome para uma categoria de materiais chamada polímeros. A palavra  polímero  significa “de muitas partes” e os polímeros são feitos de longas cadeias de moléculas. Os polímeros são abundantes na natureza. A celulose, material que compõe as paredes celulares das plantas, é um polímero natural muito comum.

Ao longo do último século e meio, os humanos aprenderam a fazer polímeros sintéticos, às vezes usando substâncias naturais como a celulose, mas com mais frequência usando os abundantes átomos de carbono fornecidos pelo petróleo e outros combustíveis fósseis. Os polímeros sintéticos são constituídos por longas cadeias de átomos, dispostas em unidades repetidas, muitas vezes muito mais longas do que as encontradas na natureza. É o comprimento dessas cadeias e os padrões em que estão dispostos que tornam os polímeros fortes, leves e flexíveis. Em outras palavras, é o que os torna tão  plásticos.

Essas propriedades tornam os polímeros sintéticos excepcionalmente úteis e, desde que aprendemos como criá-los e manipulá-los, os polímeros se tornaram uma parte essencial de nossas vidas. Especialmente nos últimos 50 anos, os plásticos saturaram nosso mundo e mudaram a maneira como vivemos.

O primeiro plástico sintético

O primeiro polímero sintético foi inventado em 1869 por John Wesley Hyatt, que se inspirou na oferta de uma firma de Nova York de US $ 10.000 para quem pudesse fornecer um substituto para o marfim. A crescente popularidade do bilhar havia prejudicado o suprimento de marfim natural, obtido através da matança de elefantes selvagens. Ao tratar a celulose, derivada da fibra de algodão, com cânfora, Hyatt descobriu um plástico que poderia ser trabalhado em uma variedade de formas e feito para imitar substâncias naturais como tartaruga, chifre, linho e marfim.

Esta descoberta foi revolucionária. Pela primeira vez, a manufatura humana não foi restringida pelos limites da natureza. A natureza forneceu apenas madeira, metal, pedra, osso, presa e chifre. Mas agora os humanos podem criar novos materiais. Esse desenvolvimento ajudou não só as pessoas, mas também o meio ambiente. Anúncios elogiaram o celulóide como o salvador do elefante e da tartaruga. Os plásticos podem proteger o mundo natural das forças destrutivas da necessidade humana.

A criação de novos materiais também ajudou a libertar as pessoas das restrições sociais e econômicas impostas pela escassez de recursos naturais. O celulóide barato tornou a riqueza material mais difundida e acessível. E a revolução dos plásticos estava apenas começando.

O Desenvolvimento de Novos Plásticos

Em 1907, Leo Baekeland inventou a baquelite, o primeiro plástico totalmente sintético, o que significa que não continha moléculas encontradas na natureza. Baekeland estava procurando um substituto sintético para a goma-laca, um isolante elétrico natural, para atender às necessidades dos Estados Unidos rapidamente eletrizantes. A baquelite não era apenas um bom isolante; também era durável, resistente ao calor e, ao contrário do celulóide, ideal para a produção mecânica em massa. Comercializada como “o material para milhares de usos”, a baquelita pode ser moldada ou moldada em quase qualquer coisa, oferecendo possibilidades infinitas.

Os sucessos do Hyatt e da Baekeland levaram grandes empresas químicas a investir em pesquisa e desenvolvimento de novos polímeros, e novos plásticos logo se juntaram ao celulóide e à baquelite. Enquanto Hyatt e Baekeland procuravam materiais com propriedades específicas, os novos programas de pesquisa buscavam novos plásticos para seu próprio bem e se preocupavam em encontrar usos para eles mais tarde.

Os plásticos envelhecem

A Segunda Guerra Mundial exigiu uma grande expansão da indústria de plásticos nos Estados Unidos, já que o poder industrial se mostrou tão importante para a vitória quanto o sucesso militar. A necessidade de preservar os escassos recursos naturais tornou a produção de alternativas sintéticas uma prioridade. Os plásticos forneceram esses substitutos. O náilon, inventado por Wallace Carothers em 1935 como seda sintética, foi usado durante a guerra como pára-quedas, cordas, coletes à prova de balas, forros de capacete e muito mais. O plexiglass forneceu uma alternativa ao vidro para janelas de aeronaves. Um artigo da revista Time observou que, por causa da guerra, “os plásticos foram voltados para novos usos e a adaptabilidade dos plásticos foi demonstrada mais uma vez”. [1]  Durante a Segunda Guerra Mundial, a produção de plástico nos Estados Unidos aumentou 300%.

O aumento na produção de plástico continuou após o fim da guerra. Depois de passar pela Grande Depressão e, em seguida, pela Segunda Guerra Mundial, os americanos estavam prontos para gastar novamente, e muito do que compraram era feito de plástico. De acordo com a autora Susan Freinkel, “Em produto após produto, mercado após mercado, os plásticos desafiaram os materiais tradicionais e venceram, tomando o lugar do aço nos carros, papel e vidro nas embalagens e madeira nos móveis”. [2]  As possibilidades dos plásticos deram a alguns observadores uma visão quase utópica de um futuro com abundante riqueza material, graças a uma substância higiênica segura e barata que poderia ser moldada por humanos de acordo com seus caprichos.

Crescentes preocupações com os plásticos

O otimismo imaculado sobre os plásticos não durou. Nos anos do pós-guerra, houve uma mudança nas percepções americanas, pois os plásticos não eram mais vistos como inequivocamente positivos. Detritos de plástico nos oceanos foram observados pela primeira vez na década de 1960, uma década em que os americanos se tornaram cada vez mais conscientes dos problemas ambientais. O livro de Rachel Carson de 1962, Silent Spring, expôs os perigos dos pesticidas químicos. Em 1969, um grande derramamento de óleo ocorreu na costa da Califórnia e o poluído rio Cuyahoga, em Ohio, pegou fogo, aumentando a preocupação com a poluição. À medida que a consciência sobre as questões ambientais se espalhou, a persistência de resíduos de plástico começou a incomodar os observadores.

O plástico  também gradualmente se tornou uma palavra usada para descrever o que era barato, frágil ou falso. Em The Graduate, um dos melhores filmes de 1968, o personagem de Dustin Hoffman foi incentivado por um conhecido mais velho a fazer carreira em plásticos. O público se encolheu junto com Hoffman com o que considerou um entusiasmo fora do lugar por uma indústria que, em vez de ser cheia de possibilidades, era um símbolo de conformidade barata e superficialidade.

Problemas de plástico: resíduos e saúde

A reputação do plástico caiu ainda mais nas décadas de 1970 e 1980, à medida que aumentava a preocupação com o desperdício. O plástico se tornou um alvo especial porque, embora tantos produtos plásticos sejam descartáveis, o plástico dura para sempre no meio ambiente. Foi a indústria do plástico que ofereceu a reciclagem como solução. Na década de 1980, a indústria de plásticos liderou uma campanha influente incentivando os municípios a coletar e processar materiais recicláveis ​​como parte de seus sistemas de gestão de resíduos. No entanto, a reciclagem está longe de ser perfeita e a maioria dos plásticos ainda vai parar em aterros sanitários ou no meio ambiente. Sacolas plásticas de supermercados se tornaram um alvo para ativistas que buscam proibir os plásticos descartáveis ​​de uso único, e várias cidades americanas já aprovaram a proibição de sacolas. O símbolo definitivo do problema do lixo plástico é a Grande Mancha de Lixo do Pacífico,

A reputação dos plásticos sofreu ainda mais devido à crescente preocupação com a ameaça potencial que representam para a saúde humana. Essas preocupações se concentram nos aditivos (como o muito discutido bisfenol A [BPA] e uma classe de produtos químicos chamados ftalatos) que entram nos plásticos durante o processo de fabricação, tornando-os mais flexíveis, duráveis ​​e transparentes. Alguns cientistas e membros do público estão preocupados com as evidências de que esses produtos químicos vazam dos plásticos e entram em nossos alimentos, água e corpos. Em doses muito altas, esses produtos químicos podem perturbar o sistema endócrino (ou hormonal). Os pesquisadores se preocupam particularmente com os efeitos desses produtos químicos nas crianças e com o que o acúmulo contínuo significa para as gerações futuras.

O futuro dos plásticos

Apesar da crescente desconfiança, os plásticos são essenciais para a vida moderna. Os plásticos possibilitaram o desenvolvimento de computadores, telefones celulares e a maioria dos avanços da medicina moderna que salvam vidas. Leves e bons para isolamento, os plásticos ajudam a economizar os combustíveis fósseis usados ​​no aquecimento e no transporte. Talvez o mais importante, os plásticos baratos aumentaram o padrão de vida e tornaram a abundância de materiais mais facilmente disponível. Sem os plásticos, muitos bens que consideramos naturais poderiam estar fora do alcance de todos, exceto dos americanos mais ricos. Substituir materiais naturais por plástico tornou muitos de nossos bens mais baratos, leves, seguros e resistentes.

Como está claro que os plásticos têm um lugar valioso em nossas vidas, alguns cientistas estão tentando torná-los mais seguros e sustentáveis. Alguns inovadores estão desenvolvendo bioplásticos, que são feitos de plantas em vez de combustíveis fósseis, para criar substâncias que são mais ecológicas do que os plásticos convencionais. Outros estão trabalhando para fazer plásticos que são verdadeiramente biodegradáveis. Alguns inovadores estão procurando maneiras de tornar a reciclagem mais eficiente e até esperam aperfeiçoar um processo que converta os plásticos de volta nos combustíveis fósseis dos quais foram derivados. Todos esses inovadores reconhecem que os plásticos não são perfeitos, mas são uma parte importante e necessária do nosso futuro.

Share this article

Recent posts

Boyan Slat – O jovem que está tentando limpar os oceanos do lixo plástico.

Quando olhamos para pessoas que conseguiram realizar seus sonhos, imaginamos pessoas populares, muito comunicativas e que principalmente desde muito cedo sabiam qual seria o...

A História do Plástico – O que é e como surgiu?!

Pedra, madeira, cerâmica, vidro e ferro, onde estaríamos sem estes materiais? Durante a maior parte da história, nós seres humanos usamos materiais encontrados na...

Minimalismo.

Whether it's career burnout, general aimlessness or a craving for a new path, most people will hear a call for a positive life change...

Energia Eólica.

Whether it's career burnout, general aimlessness or a craving for a new path, most people will hear a call for a positive life change...

Como o plástico é reciclado?

Whether it's career burnout, general aimlessness or a craving for a new path, most people will hear a call for a positive life change...

Popular categories

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Recent comments